Blog

“META DISCUTIDA…CUMPRE-SE”

A gestão orientada para resultados, tem o foco no atingimento das metas, onde a equipe unida faz o seu melhor, superando qualquer barreira para obter o resultado estabelecido – porque meta não se discute, uma vez determinada é para ser cumprida.

Porém a definição da meta deve sim ser discutida entre “os fazedores da meta”, e não de forma simplista, somente através do histórico de vendas ou com percentuais acrescidos de inflação ou projeção dedutível e “desejos” de crescimento, mas observando o potencial da região, da equipe, a sazonalidade, as condições econômicas e políticas da região.

Definição de metas requer estudo e ousadia, visando a superação de limites, porém, com embasamento de dados e a viabilidade.

Depois de definida corretamente, não tem mais o que ser discutido, aí sim, apenas…cumpre-se.

E uma equipe preparada, fará a diferença entre atingir ou não os resultados estabelecidos.

O novo modelo de administração de empresas, aponta para a proposta de uma nova cultura corporativa “Accountability”- onde o indivíduo assume a autorresponsabilidade pelos resultados do seu trabalho e de suas decisões.

Pessoas proativas, que não ficam esperando que alguém reconheça seus esforços e sacrifícios, mas pensam e agem como se a empresa fosse deles.

O empresário tem o compromisso com a prosperidade de seu negócio, sendo que pessoas é que fazem essa prosperidade acontecer, então é necessário ter pessoas certas nos lugares certos.

Daí a importância de conhecer os colaboradores, observar seu trabalho, relacionamento com colegas, ousadia, acertos e erros, dedicação, compromisso com o negócio, ou seja, suas competências.

Como empresário, o que responderia se fosse questionado sobre seus colaboradores?

Eles são os melhores na posição que ocupam?

Quantos são confiáveis?

Quantos atingem os objetivos propostos? (Eles sabem quais são esses objetivos?)

Nem sempre os colaboradores conhecem o plano de ação da empresa, quais os resultados operacionais e comerciais esperados – são apenas “cobrados”.

Outro ponto a considerar é se existe uma cultura organizacional de identidade e afinidade com a empresa. Estimular o envolvimento da família é um quesito importante a se considerar, porque muitos desconhecem o produto ou serviço do local onde trabalham pai, mãe, marido, esposa, filhos, etc.

Daí propiciar eventos festivos (como festa de fim de ano), visitações e encontros envolvendo os familiares, para que haja engajamento real e onde tenham o sentimento de pertencimento.

Oferecer benefícios como plano de saúde, plano odontológico, seguro de vida, previdência privada (mesmo que total ou parcialmente contributário), parceria em academias, escolas, incentivo a cursos e atividades culturais.

Independentemente do tamanho do local de trabalho, do número de colaboradores e do faturamento anual. O orgulho de fazer parte deste grupo corporativo é que determina o sucesso ou o fracasso do mesmo.

Empresário, Cuide do que é seu e venda seu negócio a seus colaboradores, da mesma forma que espera que eles tenham a visão comercial e atinjam ou mesmo superem as metas propostas.

 

Suely Sandra Costa Silva – Diretora – Unidade de Vendas e Finanças – Bridge RH

48 99616-6611